Descarte de resíduos de demolição: É possível reciclar?

Descarte de resíduos de demolição: É possível reciclar?

 

O descarte de resíduos de demolição é uma preocupação que todas as empresas que atuam na construção civil devem ter.

No Brasil, hoje, a Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon) estima que cerca de apenas 21% dos resíduos de demolição estejam sendo reciclados, e que 98% deles poderiam passar por esse processo. 

Ainda segundo essa associação, com os resíduos da construção civil que são gerados em um dia, seria possível construir 2.314 Maracanãs.

Esses dados mostram a importância de se investir em especialização para que haja um descarte com melhor aproveitamento dos resíduos de demolição e materiais diversos.

Mas o que são resíduos? Segundo a Abrecon, o termo técnico é Resíduo da Construção e Demolição (RCD) ou Resíduo da Construção Civil (RCC), e representa todo material gerado no processo construtivo, de reforma, escavação ou demolição. No Brasil, o resíduo é conhecido como: entulho, caliça ou metralha.

Continue lendo para saber mais sobre o descarte dos resíduos de demolição e a sua importância para o meio ambiente.

Como ocorre a reciclagem de resíduos de demolição?

A composição do entulho de demolição é formada por fragmentos do material, o que significa um maior potencial qualitativo quando comparado ao entulho de construção.

A reciclagem dos resíduos é utilizada para obter agregados, que são materiais com formas, dimensões e propriedades adequadas para a elaboração de argamassa e concreto. E, por meio da seleção de materiais como esses, podem ser feitas a reciclagem e a trituração, com equipamentos próprios para isso.

Os materiais que são encontrados predominantemente no entulho, utilizados para a produção de agregados, segundo a Abrecon, são divididos em três grupos. Cada um deles possui uma função de reciclagem:

  • Grupo I: materiais compostos de cimento, cal, areia, brita, concreto, argamassa, blocos de concreto,
  • Grupo II: materiais cerâmicos, como telhas, manilhas, tijolos, azulejos,
  • Grupo III: materiais não-recicláveis, como solo, gesso, metal, madeira, papel, plástico, matéria orgânica, vidro e isopor.

Alguns materiais do grupo III são passíveis de serem selecionados e encaminhados para outros usos. Assim, embalagens de papel, papelão, madeira, vidro e metal podem ser recolhidos para reutilização ou reciclagem.

Outras formas de descarte de resíduos de demolição

Como vimos, a reciclagem com o suporte de uma boa gestão dos materiais de demolição e construção, no Brasil, ainda não é muito comum. Infelizmente, essa falta de preocupação gera um acúmulo de entulho que, além de ser negativo para o meio ambiente, ainda pode se tornar um lugar de vetor para pragas, como dengue, insetos e roedores.

Já quando os resíduos de demolição são descartados corretamente, há diversos benefícios, como:

  • desenvolvimento sustentável,
  • geração de oportunidades de trabalho,
  • novas oportunidades de negócios,
  • preservação ambiental.

Confira quais são os principais métodos para fazer o descarte correto dos resíduos de demolição de forma legal.

Reutilização dos resíduos de demolição

Uma forma simples de se fazer reciclagem do entulho é reutilizando-o na própria obra. Isso pode ser feito de diversas formas, mas a mais comum é utilizá-lo na pavimentação, seja na base, sub-base ou revestimento primário.

Para isso, pode-se utilizar os resíduos de demolição como brita corrida ou misturada com o solo.

Um equipamento que facilita muito a reutilização do entulho é o britador móvel, que conta com capacidade de produção entre 120 e 400 toneladas/hora e ainda faz a separação das ferragens.

Essa tecnologia possibilita a trituração de materiais dos grupos I e II, como tijolos, blocos cerâmicos, rochas e pavimentos asfálticos.

Assim, é possível reutilizá-los em diversas aplicações e há a diminuição do impacto ambiental.

Pontos de coleta

Alguns municípios contam com pontos de coleta de material da construção civil, mas, normalmente, há um limite na quantidade que pode ser descartada diariamente.

Dessa forma, essa opção só é válida para pequenas obras ou, ainda, para a etapa de finalização e limpeza, em que os entulhos maiores já foram reutilizados ou eliminados corretamente.

Ligue para a prefeitura da sua cidade para saber mais informações e entender os limites da sua região. 

Coleta comum

Outra opção, dependendo do local da obra, é fazer o descarte total, ou ao menos parcial, por meio da coleta de resíduos comuns.

Mas, atenção: para isso, é preciso confirmar com a sua prefeitura se esse serviço é efetuado e legal. Existem municípios que proíbem e podem, inclusive, multar empresas que realizam essa atividade.

Por isso, ao ligar para saber sobre os pontos de coleta, já pergunte sobre essa possibilidade. Outra boa ideia é ler o Plano Municipal de Gestão de Resíduos da Construção Civil, que toda cidade deve ter. Nesse documento, você encontrará mais informações sobre a destinação correta para entulhos.

Contratar uma empresa

Para obras maiores, além do uso do britador móvel, o aconselhado é a contratação de uma empresa especializada no descarte de resíduos de demolição.

Vale ressaltar que, para isso, não basta apenas contratar alguém que é especializado em transporte. É preciso conferir qual é o local em que o entulho será colocado, se haverá algum tipo de processo de reciclagem e se o ambiente realmente pode ser utilizado para esse fim.

Mesmo com a terceirização desse serviço, ainda é de responsabilidade da sua empresa se assegurar que os resíduos de demolição irão para o destino apropriado, de acordo com as regras da sua cidade.

Outra dica para as empresas que trabalham com construção civil é: evitar desperdiçar materiais. Isso diminuirá a quantidade de entulhos no final da obra e ainda reduzirá o impacto ambiental da edificação no meio ambiente.

Busque utilizar aditivos que aumentem a durabilidade dos insumos. Existem muitos para concretos, por exemplo, que permitem que menos água seja utilizada ou que a sua textura se mantenha por longos períodos, facilitando a aplicação.

São pequenas coisas que fazem diferença e poderão mudar os números que já citamos acima. Trata-se de uma responsabilidade compartilhada e apenas o trabalho conjunto poderá mudar essa realidade.

Se você gostou desse conteúdo, continue no nosso blog e saiba quais são os benefícios da locação de equipamentos para construção civil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *