Desenvolvimento sustentável e planejamento urbano são fundamentais para a redução de desastres socioambientais

Desenvolvimento sustentável e planejamento urbano | Demolidora Solum

A segregação e a exclusão social são processos que perduram até hoje na realidade brasileira. Tudo isso motivado pela injustiça ambiental em determinadas regiões além dos desastres que se manifestam pelo posicionamento espacial, o que impacta negativamente sobre indicadores socioeconômicos. Com os riscos de inundações e deslizamentos de terra nas periferias, as péssimas condições sociais e de exposição a vários tipos de problemas, impactam principalmente a saúde da população desprovida de recursos da segurança pública. Dado esse cenário o desenvolvimento sustentável e o planejamento urbano se mostram tão importantes.

E em vista dos problemas acima mencionados, pesquisadores do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) analisaram dados de desastres socioambientais das cidades litorâneas de SP e sua intercessão na saúde pública, bem como as condições ambientais e de sustentabilidade. O estudo fala sobre esses fatores que são responsáveis pelo grau de vulnerabilidade da população que vive em área de risco. 

O artigo intitulado “Vulnerabilidade, saúde e desastres no litoral de São Paulo (Brasil): desafios para um desenvolvimento sustentável” (Vulnerability, health and disasters in São Paulo coast -Brazil: challenges for a sustainable development), da ANPPAS-Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade trouxeram essas importantes análises para determinar a melhor estratégia para um desenvolvimento urbano autossustentável. 

Dentre os fatores aqui levantados, o artigo analisa o problema do crescimento intenso urbano que ocorre devido às oportunidades trabalhistas. Com isso, o aumento da população vem seguido de ocupações em áreas de risco pela população de baixa renda. Além disso, as condições de falta de infraestrutura e serviços públicos, dentre eles a saúde, aumenta ainda mais essa situação de vulnerabilidade, o que dificulta a assistência em casos de desastres. 

Os dados concluem que fazer um planejamento, aumentar e promover a sinergia entre diferentes setores sociais com a temática que envolve possíveis riscos de desastres é a forma mais solúvel de combater esse tipo de problema em áreas de vulnerabilidade socioambiental. Para isso, é preciso avançar, sobretudo, na implementação de práticas efetivas de mitigação de impactos, além de monitorar essas estratégias propostas. Para que esse monitoramento seja bem feito, é preciso contar com uma equipe especializada que observe de perto as condições estruturas físicas socioambientais, a ponto de pode reduzir cada vez mais os impactos gerados pelos desastres naturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *